ATUAÇÃO DE DOCENTES DO GÊNERO MASCULINO NA EDUCAÇÃO ESPECIAL SUL-MATO-GROSSENSE

Matheus Kashiyama Pessoa Kashiyama Pessoa, Josiane Peres Gonçalves

Resumo


A temática da pesquisa refere-se ao trabalho educativo exercido por professores homens que atuam na Educação Especial com alunos que possuem deficiências e teve o objetivo de identificar as percepções de docentes, familiares e gestores da área de educação especial sul-mato-grossense, em relação ao trabalho educativo desenvolvido por docentes do gênero masculino. A metodologia utilizada se caracteriza por uma pesquisa qualitativa do tipo descritiva e a coleta de dados foi realizada a partir de um roteiro semiestruturado, que foi utilizado para a gravação de entrevistas individualizadas. Devido ao contexto de pandemia e adoção do isolamento social como medida de proteção ao Covid-19, a pesquisa de campo foi realizada com o uso do aparelho celular e do aplicativo Whatsaap. Participaram da pesquisa: uma gestora da APAE, um professor homem que atua na mesma APAE e uma mãe de uma menina que estudava com um professor homem em outra APAE de Mato Grosso do Sul. Os resultados do estudo evidenciam que as famílias de alunos com deficiência tendem a pensar o cuidar acima do educar. Assim, há um certo estranhamento ao ver um professor homem atuando com crianças especiais, apontando para o grande temor das mães em relação ao abuso sexual e a pedofilia, acabando por restringir o professor homem de exercer atividades voltadas ao cuidado pessoal e práticas higienistas. Percebe-se que há uma certa dificuldade dos pais e da instituição APAE de olhar o professor homem como um profissional da educação.


Palavras-chave


Gênero. Docência Masculina. Educação Especial. Professores Homens.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, Wanda Maria Junqueira de. A escolha na orientação profissional: contribuições da psicologia sócio-histórica. Psicol. educ., São Paulo, n. 23, p. 11-25, dez. 2006. Disponível em . Acesso em: 18 jul. 2020.

BRASIL. Lei nº. 7.853, de 24 de Outubro de 1989. Dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência, sua integração social, sobre a Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência - Corde institui a tutela jurisdicional de interesses coletivos ou difusos dessas pessoas, disciplina a atuação do Ministério Público, define crimes, e dá outras providências. Brasília, 1989. Disponível em: . Acesso em:

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica. Brasília, 2001. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/diretrizes.pdf>. Acesso em:

BOURDIEU, Pierre. A dominação Masculina. Tradução Maria Helena. 11 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2019.

BURON, Roberto Montagner. O papel da universidade na formação do perfil profissional. Salão do Conhecimento, v. 2, n. 2, 2016. Disponível em: . Acesso em:

CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Tradução de Luciana de Oliveira da Rocha. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2019.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2019.

GONÇALVES, Josiane Peres; DIAS, Érica Fernanda Moreira; SOUZA, Valdelice Cruz da Silva. Eles são instáveis, agressivos e desnaturados ou têm autoridade, bom senso e firmeza? Presença de homens no magistério e representações sociais. Polêm!ca. Rio de Janeiro, v. 17, n. 4, p. 44-65, out./dez. 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2019.

GONÇALVES, Josiane Peres; FARIA, Adriana Horta. Representações sociais de famílias sobre a atuação de homens professores com crianças de educação infantil. Cadernos de Pesquisa em Educação. Vitória/ES, ano 12, v. 19, n. 41, 2015. Disponível em: < http://www.periodicos.ufes.br/educacao/article/view/11326>. Acesso em: 15 ago. 2019.

GONÇALVES, Josiane Peres; FERREIRA, Verônica Caroline de Matos; CAPRISTO, Zenaide Ribeiro Neto. Professores homens desempenham as mesmas funções que as professoras na Educação Infantil? Olhares dos gestores escolares. Educação em Foco, v. 21, n. 34, p. 125-145, 2018. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2019.

GUEDES, Mª Eunice Figueiredo. Gênero, o que é isso? Psicol. cienc. prof., Brasília, v.15, n. 1-3, p. 4-11, 1995. Disponível em: . Acesso em: 16 ago. 2019.

HIRATA, Helena; KERGOAT, Danièle. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cad. Pesqui. São Paulo, v. 37, n. 132, p. 595-609, Dez. 2007 . Disponível em: . Acesso em: 08 set. 2019.

MONTENEGRO, T. Educação Infantil: a dimensão moral da função de cuidar. Psicologia da Educação, São Paulo, v. 20, p. 77-101, 2005.

RAMOS, Joaquim. Um estudo sobre os professores homens da Educação Infantil e as relações de gênero na rede municipal de Belo Horizonte–MG. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em Educação Belo Horizonte, 2011. Disponível em: . Acesso em: 23 ago. 2019.

SÁ, C. P. Representações Sociais: o conceito e o estado atual da teoria. In: SPINK, M. J. (org.). O conhecimento no cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1995.

SAYÃO, Deborah Thomé. Relações de gênero e trabalho docente na educação infantil: um estudo de professores em creches. 2005. 273 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação, Florianópolis. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2019.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Matheus Kashiyama Pessoa Kashiyama Pessoa, Josiane Peres Gonçalves

 

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

ISSN: 2448-0916.

______________________________________________


 

DRJI Indexed Journal