VOZ DAS COMUNIDADES: ESTRATÉGIAS DISCURSIVAS SOBRE A VIOLÊNCIA NO COMPLEXO DO ALEMÃO

FRANCISCO LAERTE JUVÊNCIO MAGALHÃES, MARCELA PACHÊCO CHAVES

Resumo


O desenvolvimento de tecnologias móveis tem influenciado diversas atividades, e uma delas é o jornalismo. Tal influência tem causado mudanças nas etapas de produção, consumo e distribuição de notícias e propiciado a cidadãos comuns produzir conteúdo, o que antes estava restrito às empresas de comunicação tradicionais. Um exemplo é o Voz das Comunidades, meio de comunicação alternativo produzido por moradores do Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro (RJ), que tem como objetivo apresentar outra representação dos fatos relacionados às favelas, diferentemente do que é comumente visto em meios de comunicação tradicionais. Através da Análise de Discurso Crítica (ADC), analisamos que marcas discursivas estão impressas em artigo de opinião do Voz das Comunidades e os discursos produzidos por ele. Com a pesquisa, percebemos que a existência de uma voz local, que tem liberdade de retratar alguns de seus anseios e necessidades, é de significativa importância, entre outas considerações.


Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, Suzana; SEIXAS, Lia. Jornalismo e Tecnologias Móveis. In: BARBOSA, Suzana. MIELNICZUK, Luciana (Orgs.). Jornalismo e tecnologias móveis, 2013. Labcom. p. 51 – 74.

BRÄKLING, Kátia Lomba. Trabalhando com artigo de opinião: re-visitando o eu no

exercício da (re)significação da palavra do outro. In: ROJO, Roxane (Org.). A prática da

linguagem em sala de aula: praticando os PCN. São Paulo: EDUC; Campinas, SP:

Mercado de Letras, 2000, p. 221-247.

El País. A voz da comunidade que corre o Rio. El País, 2015. Disponível em: . Acesso em: 23 de abril de 2019.

EVANGELISTA, Ana Paula Souto. Meios de Comunicação Tradicionais X Mídias Alternativas, Como Está a Qualidade da Informação que Chega á População? Disponível em: . Acesso em: 22 de abril de 2019.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001.

_______. Análise Crítica do Discurso como método em pesquisa social científica. 2 ed. Londres, 2005.

O VIGILLANTE. As fases do jornalismo. Disponível em: . Acesso em: 23 de novembro de 2018.

PRETTO; MARZULO. O conceito de favela/slum pelo IBGE e pela ONU. Disponível em: . Acesso em: 26 de outubro de 2017.)

RESENDE, Viviane; RAMALHO, Viviane. Análise de Discurso (para a) Crítica: O texto como Material de Pesquisa. Campinas: Pontes, 2011. v. 1.

SILVA, Firmino Fernando. Repórteres em campo com tecnologias móveis conectadas. In: BARBOSA, Suzana; MIELNICZUK, Luciana. Jornalismo e Tecnologias Móveis. Covilhã: Labcom, 2009. p. 91-112.

TELE SÍNTESE. 61% dos brasileiros têm acesso à Internet. Disponível em: . Acesso em: 29 de julho de 2019.

VAN DIJK, T. Racism in the press. London: Arnold, 1986.

VAN LEEUWEN, T. IN: Análise Crítica do Discurso. [S.l.] Editorial Caminho, 1998. p. 169-222.

VOZ DAS COMUNIDADES. Ficha técnica. Disponível em: . Acesso em: 26 de otubro de 2017.

_______. Nossa história. Disponível em: . Acesso em: 26 de outubro de 2017.

_______. Seis anos de ocupação. Disponível em: . Acesso em: 29 de julho de 2019.

ZAGO, Gabriela da Silva. Recirculação jornalística no twitter: filtro e comentário de

notícias por interagentes como uma forma de potencialização da circulação. 2011. 204 f. Dissertação – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre – RS.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 FRANCISCO LAERTE JUVÊNCIO MAGALHÃES, MARCELA PACHÊCO CHAVES

 

 

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

ISSN: 2448-0916.

______________________________________________


 

/ // DRJI Indexed Journal / / / /