PRÁTICAS DISCURSIVAS SOBRE VIOLÊNCIA NA ESCOLA: UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE A VISÃO DOS ALUNOS

JANAÍNA RODRIGUES DE SOUSA, PANDORA GRAMSCI SOARES VASCONCELOS

Resumo


A presente pesquisa revisa literaturas associadas à identificação das principais formas de violência escolar na perspectiva de estudantes do ensino médio, tornando possível identificar produções para análise de narrativas sobre o motivo da violência, e, sua relação com formas existentes de enfrentamento deste comportamento no âmbito escolar. Para tanto, as concepções sobre violência no âmbito educacional se encaminham para a compreensão dos processos simbólicos recorrentes na escola. Em questões metodológicas, será apresentado com abordagem qualitativa, estando aliado à natureza da pesquisa aplicada, produzindo aportes teóricos para a mediação no processo de investigação sobre a percepção de jovens no ensino médio. Os resultados, aliados a uma teoria psicanalítica, buscou interpretar conteúdos inconscientes de vivências primitivas e vínculos atuais na vivência de grupos, para, então, demonstrar motivações que exibem aspectos defensivos e projetivos influenciáveis na convivência entre pares.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES-MAZZOTTI, Alda Judith. Relevância e aplicabilidade da pesquisa em educação. Cadernos de pesquisa, v. 113, p. 39-50, 2001.

. Representações sociais: aspectos teóricos e aplicações à educação.Em aberto, v. 14, n. 61, 2008.

ALVES-MAZZOTTI, Alda Judith et al. Os sentidos do ser professor. Revista Educação e Cultura Contemporânea, v. 1, n. 1, p. 61-73, 2016.

AMEMIYA, I.; OLIVEROS, M.; BARRIENTOS, A. Factores de riesgo de violencia escolar (bullying) severa en colegios privados de tres zonas de la sierra del Perú. In: Anales de la Facultad de Medicina. UNMSM. Facultad de Medicina, 2009. p. 255-258.

BENELLI, Sílvio José. O internato escolar como instituição total: violência e subjetividade.

Internet (documentos eletrônicos): Psicol. estud., Maringá , v. 7, n. 2, p. 19-29, Dec. 2002 . Available from . access on 07 Mar. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S1413- 73722002000200004.

BRASIL. Representação da UNESCO. Declaração universal dos direitos humanos. 1988.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil S. A., 1989. BRASIL, Katia Cristina Tarouquella Rodrigues et al. Adolescência, violência e objetos culturais: uma intervenção entre o educativo e o terapêutico no espaço escolar. Estilos da Clinica, v. 20, n. 2, p. 205-225, 2015.

BRINGIOTTI, María Inés; KRYNVENIUK, Marta; LASSO, Silvia. Las multiples violéncias de la violencia. Paidéia, v. 14, n. 29, 2004.

CARVALHO, Rachel de. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein, v. 8, n. 1 Pt 1, p. 102-6, 2010. UNI. Relatório Anual UNI 2017. Unicef. Brasília, DF. Ano 14 • nº 39. Março de 2018. 20. Disponível em:

CAVALCANTI, A. L. Lesões no complexo maxilofacial em vítimas de violência no ambiente escolar. Ciência & Saúde Coletiva, v. 14, p. 1835- 1842, 2009.

CID H, PATRICIA et al . AGRESIÓN Y VIOLENCIA EN LA ESCUELA COMO FACTOR DE RIESGO DEL APRENDIZAJE ESCOLAR. Cienc. enferm., Concepción , v. 14, n. 2, p. 21-30, dic. 2008 . Disponible en . accedido em 15 enero 2019. http://dx.doi.org/10.4067/S0717- 95532008000200004

CHARLOT, Bernard. A violência na escola: como os sociólogos franceses abordam essa questão. Sociologias, v. 4, n. 8, 2002.

CRUZ, M.G.A.; FERRAZZA, D.A.; JUNIOR, H.R.C. Projeto de Lei sobre a Medicalização da Educação: Biopolítica, Controle e Resistência na Contemporaneidade. Nuances: estudos sobre Educação, Presidente Prudente-SP, v. 25, n. 2, p. 210-233, maio/ago. 2014.

ELIAS, Norbert. Introdução à Sociologia. Tradução Maria Luísa Ribeiro Ferreira. Braga, Portugal: Editora Pax Limitada, 1980.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 2009.

FREUD, Sigmund. O inconsciente (1915). Obras completas, v. 14, 1996.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) 2015. Rio de Janeiro: IBGE; 2016. 126 p.

LACAN, J. Função e campo da fala e da linguagem em psicanálise. Em Escritos (pp. 238-324). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998. Disponível em Acesso em 2 de novembro de 2018.

LEVISKY, Ruth Blay. Projeto “Abrace Seu Bairro”: prevenção da violência no meio escolar e melhoria da qualidade de vida. Rev. SPAGESP, Ribeirão Preto , v. 10, n. 2, p. 33-38, dez. 2009 . Disponível em . acessos em 17 fev. 2019.

MARTINEZ FERRER, Belén et al . Violencia escolar en adolescentes rechazados y aceptados: un análisis de sus relaciones con variables familiares y escolares. Psicol. teor. Prat., São Paulo , v. 12, n. 2, p. 03-16, fev. 2010 . Disponível em . acessos em 14 fev. 2019.)

MCCOWAN, Tristan. O direito humano à aprendizagem e a aprendizagem dos direitos humanos. Educar em Revista, v. 31, n. 55, p. 25-46, 2015.

NOGUEIRA, Analuiza Mendes Pinto. Angústia e violência: sua incidência na subjetividade. Rev. Latinoam. Psicopatol. Fundam. São

Paulo, v. 4, n. 1, p. 76-85, mar. 2001.Disponível em . acesso em 15 de novembro de 2018. http://dx.doi.org/10.1590/1415-47142001001007.

SETTON, M. G. J. A teoria do habitus em Pierre Bourdieu: uma leitura contemporânea. São Paulo: Revista Brasileira de Educação, 2002.

Internet (documentos eletrônicos): SOUZA, Marcela Tavares de; SILVA, Michelly Dias da;

WEBER, M. Ensaios de sociologia. Organização: GERTH, H. H. WRIGHT MILLS, C. Rio de Janeiro: Ed. LTC. 1982.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 JANAÍNA RODRIGUES DE SOUSA, PANDORA GRAMSCI SOARES VASCONCELOS

 

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

ISSN: 2448-0916.

______________________________________________


 

DRJI Indexed Journal