A METÁFORA DO ESTRANGEIRO NO CONTEXTO DO ABSURDO MORAL NA OBRA DE ALBERT CAMUS

Glaucer Ferreira Silva

Resumo


O presente estudo tem como meta debruçar-se sobre a obra de um dos mais significantes autores do século XX: Albert Camus. O autor propõe em seus textos uma aproximação entre o fazer literário e o rigor filosófico. Duas obras serão analisadas neste texto: O Mito de Sísifo e O estrangeiro. Ambas versam sobre o conceito camusiano de Absurdidade. O fato literário foi à forma encontrada por Camus para expressar suas mais intimas angustias, vale ressaltar que sua produção se localiza no período da Segunda Guerra Mundial, o salto no absurdo seria a forma de se viver uma existência autêntica. Tal salto conduz o homem do absurdo à solidariedade, posto que quando não existe um modelo ético tolerável à relação de alteridade tira o homem do completo niilismo e da descrença em que o absurdo pode conduzi-lo. A metáfora do estrangeiro é o escopo no presente texto. Vale ressaltar que este estudo tem como objetivo investigar, a partir da produção camusiana, a relação entre homem e mundo, tendo como foco a confluência ética existente entre esses termos. Trata-se, portanto, de uma pesquisa de caráter bibliográfico que pretende minimizar a problemática moral e ética interligadas a um fato literário.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Glaucer Ferreira Silva

 

 

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

ISSN: 2448-0916.

______________________________________________


 

/ // DRJI Indexed Journal / / / /