Caminhos e descaminhos entre o princípio responsabilidade e o Übermensch

José Jaime Silva

Resumo


O objetivo deste trabalho é mostrar os pontos de encontro entre o princípio da
responsabilidade (Hans Jonas) e o conceito de Übermensch (Nietzsche). O impacto da Revolução Industrial com aumento das riquezas e o rápido avanço técnico deu esperanças de que a técnica traria um progresso contínuo. Nessa euforia surge Nietzsche criticando esse modo de ver a realidade, denunciando as falsas ideias da modernidade. A crítica nietzschiana à modernidade se dá na denúncia que ele faz dos ideais da modernidade: a razão, progresso técnico-científico, sociedade justa e livre, etc. No séc. XX o mundo ocidental sofreu com as falhas de seus projetos ideológicos na política, na economia, no trabalho, etc. As promessas de mundo melhor ficaram por terra depois de catástrofes no séc. XX que desembocam em uma crise ambiental que é vista por pesquisadores como grande ameaça à existência humana. Hans Jonas propõe que o agir humano seja de tal forma que a permanência de uma autêntica vida humana na terra seja garantida. Jonas deixa de lado uma ética metafísica e abre espaço para uma ética na imanência. O Übermensch de Nietzsche que afirma a vida pode ser entendido como seguidor de seus instintos e ligado a natureza, logo um homem sensível aos problemas ambientais. Um desencontro entre os conceitos podem ser as ideias de bem e mal que estão no princípio da responsabilidade, um encontro seria a transformação do medo em coragem que
conduz a ação que superaria a crise ambiental. Ambos os autores não chegaram necessariamente no mesmo lugar por caminhos diferentes.

Palavras-chave


Responsabilidade; Übermensch; Meio-ambiente.

Texto completo:

PDF

Referências


ABBAGNANO, N. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

DELBÓ, A. Nietzsche: sobre alguns problemas morais da democracia moderna. Cadernos

Nietzsche, v. 32, 2013.

DELEUZE, G. Nietzsche e a Filosofia. Rio de Janeiro: Editora Rio, 1976.

GIACOIA JUNIOR, O. Sonhos e pesadelos da razão esclarecida. Revista o que nos faz

pensar, v. 18, 2004.

HÉBER-SUFFRIN, P. O “Zaratustra” de Nietzsche. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

LIMA, M. DE. O princípio responsabilidade de Hans Jonas e a crítica de Karl-Otto Apel.

Seara Filosofica, 2010.

MARTON, S. Do dilaceramento do sujeito à plenitude dionisíaca. Cadernos Nietzsche, v.

, p. 1–121, 2009.

MATOS, J. C. Críticas Nietzcheanas à Modernidade. Revista Impulso, v. 12, 2001.

NIETZSCHE, F. Para Além do Bem e do Mal. São Paulo: Martin Claret, 2001a.

NIETZSCHE, F. A gaia ciência. São Paulo: Companhia das Letras, 2001b.

NIETZSCHE, F. Crepúsculo dos Ídolos. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

NIETZSCHE, F. Genealogia da Moral. São Paulo: Companhia das Letras, 2009a.

NIETZSCHE, F. Assim Falou Zaratustra. São Paulo: Companhia das Letras, 2009b.

PELIZZOLI, M. L. Correntes da ética ambiental. Petrópolis: Vozes, 2002.

SGANZERLA, A. Biologização do ser moral em Hans Jonas. Revista de Filosofia: Aurora, v.

, n. 36, p. 155–178, 2013.

VATTIMO, G. O fim da modernidade: niilismo e hermenêutica na cultura pós-moderna.

São Paulo: Martins Fontes, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 José Jaime Silva

 

 

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

ISSN: 2448-0916.

______________________________________________


 

/ // DRJI Indexed Journal / / / /