Liberdade nos níveis primitivos da vida na filosofia de Hans Jonas

Bruno Xavier

Resumo


O tema central desse trabalho é a filosofia do organismo de Hans Jonas. Desse modo, o objetivo da presente pesquisa consiste em analisar a liberdade dialética nos organismos que sobrevivem graças à capacidade metabólica, segundo o sistema filosófico jonasiano. A metodologia utilizada foi a analítica sintética em que se percorreu as principais obras de Jonas sobre o tema, sobretudo, sua obra O princípio vida e de comentadores que auxiliaram no desenvolvimento do trabalho. Com o resultado da pesquisa constatamos que a liberdade já pode ser encontrada nos primeiros estágios de vida, mas de modo diferente daquele que se expressa nos seres humanos. Partindo do darwinismo, Jonas compreende que os estágios de liberdade vão se construindo de liberdade inferior à liberdade superior, camada sobre camada, em um sentido de evolução. É nesse sentido que Jonas afirma que o metabolismo é o elemento pelo qual o ser se distingue da mera materialidade sem objetivo, ao mesmo tempo que abre a possibilidade para a existência da subjetividade na matéria, colocando o ser orgânico na polarização entre o si mesmo e o mundo. Para manter seu ser, a vida precisa realizar seu fazer. Aqui é exposto o caráter precário da liberdade, pois na medida em que o orgânico escolhe a vida, ele precisa, necessariamente, o fazer, pois deixar de fazer significa morrer. É pela transcendência, pelo ter o mundo, que a vida orgânica afirma sua liberdade, que nesse contexto, tem predominância sobre a necessidade.

Palavras-chave


Liberdade dialética; Vida; Ontologia.

Texto completo:

PDF

Referências


COMÍN, Illana Giner. Introducción a la edición española. In HANS, Jonas. Poder o

impotência de la subjetividad. Tradução de Illana Giner Comin. Coleção Pensamento

Contemporâneo. Barcelona/Buenos Aires/México: Paidós, 2005, p.13-70.

DUARTE, Michelle Bobsin; FILHO, Edgard José Jorge. Hans Jonas: Da crítica à ontologia da

morte ao fundamento da ontologia da vida. 2015. 88 f. Dissertação (Mestrado) - Pontifícia

Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013. Disponível em:

. Acesso em: 28 mar. 2015a

JONAS, Hans. Lecture 1. In: ______. Major Systems of Philosophy. Freiburg: Rombach

verlag, 2012a. Disponível em:

http://www.lettere.uniroma1.it/sites/default/files/649/jonas_dottorandi.pdf> Acesso em: 28

mar. 2015a.

______. Matéria, espírito e criação. 1. ed. Petrópolis: Vozes, 2010

______. O princípio vida: fundamentos para uma biologia filosófica. 2. ed. Petrópolis: Vozes,

______. O fardo e a benção da imortalidade. Trad. Wendell Evangelista Soares Lopes.

Princípios. Natal, v.16 n. 25 jan-jun, p. 265-281, 2009.

______. Pensar sobre Dios y otros ensayos. Trad. Ângela Ackermann. 3 ed. Barcelona: Heder,

b.

______. O princípio responsabilidade: ensaio de uma ética para a civilização tecnológica. Rio

de Janeiro: Contraponto, 2006

LINDBERG, Susanna. Hans Jona‟s theory of Life in the face of Responsibility. In: LEMBECK,

Karl-Heinz; MERTENS, Karl; ORTH, Ernst Wolfgang (ed.) Phänomenologische

Forschungen. [S.l], 2005. Disponível em:

.

Acesso em: 28 mar. 2016.

LOPES, Wendell. A renovação da teleologia em Hans Jonas: da biologia filosófica aos

fundamentos da ética. Princípios. Natal, v. 17, n. 28, p. 47-70, 2010. Disponível em

. Acesso em 23 mar. 2016.

MOURA, Sarah. Fundamentos da ética do futuro de Hans Jonas: os princípios vida e

responsabilidade. In: CARAVALHO, Marcelo, et al. Filosofia Política Contemporânea:

Coleção XVI Encontro ANPOF. São Paulo: ANPOF, 2015.

OLIVEIRA, Jelson. Responsabilidade. In: MORETTO Geovani, OLIVEIRA, Jelson,

SGANZERLA, Anor. Vida, técnica e responsabilidade. São Paulo: Paulus; 2015. p. 15-74

TIBALDEO, Roberto Franzini. The meaning of life. Can Hans Jonas‟ philosophical biology

effectively act against reductionism in the contemporary life sciences?. Humaniora.

Czasopismo Internetowe, n. 01, p.13-24, 2015. Disponível em:

um_1_15_Tibaldeo.pdf>. Acesso em: 25 jan. 2015

VIANA, Wellistony Carvalho. O monismo integral de Hans Jonas contra o fisicalismo. In:

Aurora, v. 26, n. 38, jan-jun p. 391-403, 2014.

______. A filosofia da natureza de Hegel e Jonas. In: CARAVALHO, Marcelo, et al. Filosofia

Política Contemporânea: Coleção XVI Encontro ANPOF. São Paulo: ANPOF, 2015.

WEBER, Andreas. Feeling the signs: The origins of meaning in the biological philosophy of

Susanne K. Langer and Hans Jonas. Sign Systems Studies, v. 30 n.01, p. 183-200, 2002.

Disponível em: Acesso em: 25 jan. 2016.

WOLIN, Richard. Hans lonas: el filósofo de la vida. In ______. Los hijos de Heidegger.

Hannah Arendt, Karl Lwith, Hans Jonas y Herbert Marcuse. Trad. María Candor. Madrid:

Cátedra, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.52641/cadcaj.v2i1.116

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Bruno Xavier

 

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

ISSN: 2448-0916.

______________________________________________


 DRJI Indexed Journal