DA ANGÚSTIA AO MEDO: A EXPERIÊNCIA DO RISCO NA CULTURA CONTEMPORÂNEA

Camila Calado

Resumo


Pesquisa reflete, de modo amplo, sobre como se lida com a finitude na contemporaneidade. Argumenta-se que a cultura do risco, da medicina de caráter preventivo e preditivo, reverte a angústia com a finitude em medo de advento de uma doença determinada. Investiga-se a experiência do risco na cultura contemporânea, ressaltando a convergência entre a experiência de estar sob risco e a experiência da doença crônica e seu caráter de risco. O argumento é desenvolvido a partir da leitura de reportagens da revista Veja sobre mastectomia preventiva, orientada pelas noções de episteme e raridade discursiva de Foucault. Verifica-se o estreitamento dos limites entre normal e patológico, medo da morte, a adoção de um cuidado crônico com a saúde, de práticas de autovigilância no cuidado de si e a realização de intervenções sobre o corpo em condições anteriores ao estado de doença.


Texto completo:

PDF

Referências


ALCÂNTARA, Eurípedes. As pistas no álbum de família. Veja, edição 1397, ano 28, n. 25, jun. 1995, p. 84-90.

ARONOWITZ, R. The Converged Experience of Risk and Disease. The Milbank Quarterly, v. 87, n. 2, p. 417–442, 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2014

CUMINALE, Natalia. “Conhecimento é poder”. Veja, edição 2419, ano 48, n. 13, abr. 2015b, p. 80-82.

______. O valor maior da Angelina. Veja, edição 2322, ano 46, n. 21, mai. 2013, p. 90-100.

DELEUZE, Gilles. Foucault. Conversações. São Paulo: Ed. 34, 1992.

DUARTE, Pedro. A condição humana. In: NOVAES, Adauto (org.). Mutações: entre dois mundos. São Paulo: Sesc, 2017.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

______. Histoire de la sexualité II: L’usage des plaisirs. Gallimard, 1984.

______. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

FREIRE FILHO, João. Mídia, subjetividade e poder: Construindo os Cidadãos-Consumidores do Novo Milênio. Lugar Comum: estudos de mídia, cultura e democracia, Rio de Janeiro, n. 25-26, p. 89-103, mai-dez 2008. Disponível em: . Acesso em: 22 ago. 2015.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Petrópolis: Vozes, 2015.

HARARI, Yuvai Noah. Adeus ao livre-arbítrio. Veja, edição 2510, ano 49, n. 52, dez. 2016, p. 120-123.

LOIOLA, Rita. Está vivo! Veja, edição 2482, ano 49, n. 24, jun. 2016, p. 98-100

LOPES, Adriana Dias. Uma vitória da vida. Veja, edição 2170, ano 43, n 25, jun. 2010, p. 102-108.

______. O testamento dentro de cada um. Veja, edição 2140, ano 42, n 47, nov. 2009, p. 104-108.

MARQUES, Fabricio. A verdade faz bem. Veja, edição 1221, ano 25, n. 7, fev. 1992, p. 7-9.

MOHERDAUI, Bel. A escolha de Christina. Veja, edição 2075, ano 41, n. 34, ago. 2008, p. 110-111.

NEIVA, Paula. Entre a saúde e a doença. Veja, edição 1903, ano 38, n. 18, mai. 2005, p. 86-90.

______. Revisão de genes. Veja, edição 1767, ano 35, n. 35, set. 2002, p. 61.

ROSE, Nikolas. Normality and pathology in a biomedical age. Sociological review, n.57, 2009, p.66-83. Disponível em: . Acesso em 10 mar. 2015.

STEINER, George. Heidegger. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1990.

TRAUMA menor. Veja, edição 968, mar. 1987, p. 89.

UM POUCO MAIOR. Veja, edição 2353, ano 46, n. 52, dez. 2013, p. 182.

VAZ, Paulo. A vida feliz das vítimas. In: FREIRE FILHO, João (org.). Ser feliz hoje: reflexões sobre o imperativo da felicidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010.

______. Um corpo com futuro. In: PACHECO, Anelise; COCCO, Giuseppe; VAZ, Paulo. (Org.). O trabalho da multidão. Rio de Janeiro: Gryphus, 2002.

______. Corpo e Risco. In: VILLAÇA, Nízia; GÓES, Fred; KOSOVSKI, Ester. Que corpo é esse? Novas perspectivas. Rio de Janeiro: Mauad, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Camila Calado

 

 

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

ISSN: 2448-0916.

______________________________________________


 

/ // DRJI Indexed Journal / / / /