LIVROS DE AREIA: EM BUSCA DE UMA CHAVE HERMENÊUTICA PARA A HISTORIOGRAFIA DO DESIGN

WANDYR HAGGE

Resumo


Cabe, em geral, à História a missão de ordenar um passado vago e virtualmente infinito transformando-o em narrativas que buscam neutralizar o improvável e construir realidades que deem sentido e inteligibilidade ao tempo e aos objetos sobre os quais ele se desdobra. Mas que misterioso poder é esse que tem uma pessoa que escreve História. O poder de transformar o “nada” – ou o “quase-nada” das fontes nem sempre reais (ou precisas) -, em “verdades”. Em busca de um estatuto epistêmico próprio, é possível concluir que a História não existe; o que existe são “historiografias”; interpretações. A reflexão filosófica que estuda a natureza teórica da historiografia, nos diversos objetos históricos passíveis de contemplação é, nesse sentido, essencialmente hermenêutica. Esse texto se debruça sobre a fatuidade de se fazer história e, em particular, sobre o desafio de se pensar (teoricamente) a história do design.

Texto completo:

PDF

Referências


BLEICHER, Joseph. (1980): Contemporary Hermeneutics: Hermeneutics as Method, Philosophy and Critique. London, Routledge & Kegan Paul, 1983.

BORGES, Jorge Luis. Obras completas: (1923-1972). Volume 1, Buenos Aires, Emece, 1974.

BUCHANAN, Richard & Margolin, Victor. Discovering Design: Explorations in Design Studies. Chicago, University of Chicago Press, 1995.

BUCHANAN, Richard. “Rhetoric, Humanism and Design”. in: BUCHANAN, Richard & Margolin, Victor. Discovering Design: Explorations in Design Studies. Chicago, University of Chicago Press, 1995.

BYARS, Mel. (1994): The Design Encyclopaedia. London/New York, Laurence King / MOMA, 2004.

DENIS, Rafael Cardoso. (1998) “Design, Cultura Material e o Fetichismo dos Objetos”. in: Arcos. Volume 1. Número Único.

DILTHEY, Wilhelm. «Origens da Hermenêutica». in: MAGALHÃES, Rui (org.):Textos de Hermenêutica. Tradução de Alberto Reis, Porto, Rés, 1984.

ERLHOFF, Michael & MARSHALL, Timothy. (Eds.) (2003): Design Dictionary: Perspetives on Design Terminology. Basel, Birkhäuser, 2008.

FALLAN, Kjetil. Design History: Understanding theory and method. Oxford, Berg.

FIELL, Charlotte & Peter. The Story of Design: From the Paleolithic to the Present, 2016.

GADAMER, Hans-Georg. (1960): Wahrheit und Methode. Tradução de Garrett Barden e John Cumming: Truth and Method. New York, Crossroad, 1985.

GIEDION, Sigfried. Mechanization takes Command: a contribution to anonymous history. New York, Oxford University Press, 1948.

HARTMAN, Charles. “Han Yü”. in: NIENHAUSER Jr., William H. (Ed.) (1986): The Indiana Companion to Traditional Chinese Literature. Indiana University Press.

HEIDEGGER, Martin. (1935): Einführung in die Metaphysik. Tradução de Emmanuel Carneiro Leão: Introdução à Metafísica. 2. ed. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1978.

KUHN, Thomas S. The Structure of Scientific Revolutions. Chicago, University of Chicago Press, 1962.

MARGOLIN, Victor. “História do Design e Estudos em Design”. in: A Política do Artificial. Tradução de Cid Knipel Moreira. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2014.

MARGOLIN, Victor. A World History of Design. Volume 1: Prehistoric Times to World War I. London, Bloomsbury, 2017.

MORALES, Luis Rodríguez. (1989): Para una Teoría del Diseño. Cidade do México, Universidad Autónoma Metropolitana de Azcapotzalco, 2008.

ORTIZ-OSÉS, Andrés. (1983): Antropologia Hermenêutica. Tradução de Laura Ferrereira dos Santos: Antropologia Hermenêutica. Lisboa, Escher, 1989.

OSHO. (1978): The Wisdom of the Sands. Tradução de Swami Anand Nisargan: A Sabedoria das Areias: Discursos sobre o Sufismo. Volume I. São Paulo, Editora Gente, 1999.

OUTHWAITE, William.. «Hans-Georg Gadamer». in: SKINNER, Quentin (ed.) ((1985): The Return of Grand Theory in Social Science. Canto Books. Cambridge, Cambride University Press, 1990.

PALMER, Richard E. (1969): Hermeneutics - Interpretation Theory in Schleiermacher, Dilthey, Heidegger and Gadamer. Tradução de Maria Luísa Ribeiro Ferreira: Hermenêutica. Lisboa, Edições 70, 1986.

PAPANEK, Victor. Design for the Real World: Human Ecology and Social Change. London, Pantheon Books, 1972.

PARSONS, Glenn. The Philosophy of Design. Cambridge, Polity Press, 1990.

PEVSNER, NIKOLAUS. Pioneers of the Modern Movement: From William Morris to Walter Gropius. London, Faber & Faber, 1936.

REVEL, Jacques. (1999): “História e ciências sociais: Leituras de um debate francês”. in: Proposições: Ensaios de História e Historiografia. Rio de Janeiro, EdUERJ, 2009.

VEYNE, Paul. (1971): Comment on écrit l’histoire. Tradução de Alda Baltar e Maria Auxiliadora Kneipp: Como se escreve a história; Foucault Revoluciona a História. Brasília, Editora da Universidade de Brasília, 1982.

VEYNE, Paul. “Introdução”. in: História e historicidade. Tradução de Geminiano Cascais Franco, Lisboa, Gradiva, 1988.

VEYNE. Paul. (2008): Foucault, Sa pensée, sa personne. Tradução de Luís Lima: Foucault, O pensamento, a pessoa. Lisboa, Edições Texto e Grafia, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 WANDYR HAGGE

 

 

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

ISSN: 2448-0916.

______________________________________________


 

/ // DRJI Indexed Journal / / / /