DIVERSIDADE EM CONTEXTO EDUCATIVO: PRÁTICAS DESENVOLVIDAS POR UMA ESCOLA PÚBLICA SUL-MATO-GROSSENSE

Josiane Peres Gonçalves, Marta Claudiane Ferreira

Resumo


A pesquisa tem por finalidade identificar as representações sociais e práticas desenvolvidas por uma escola pública do Estado de Mato Grosso do Sul em relação à diversidade dos alunos de anos iniciais do ensino fundamental. A linha teórica envereda-se principalmente por meio de discussões e conceitos de alguns exemplos de diversidades podendo ser entendidas como: socioeconômica, de inclusão, de gênero, entre outras. A pesquisa de campo foi realizada mediante gravação de entrevistas com quatro participantes sendo: uma gestora escolar, duas professoras e uma secretária escolar. Os resultados indicam que as representações sociais das profissionais da educação são de que as várias formas de diversidade existentes na escola não interferem em suas práticas de atuação, pois participam de um processo de formação continuada sobre essas temáticas. Assim, as educadoras se aproximam dos alunos, conhecem suas realidades fora da escola e assim estabelecem vínculos entre a instituição escolar, o aluno e a família. Diante dessa união, evidencia-se que a escola pesquisada tem cumprido um importante papel social, diante da diversidade que caracterizam os integrantes da comunidade escolar.


Palavras-chave


Representações Sociais. Práticas escolares. Diversidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, M. Práticas inovadoras na formação de professores. Campinas: Papirus, 2016.

ARIÈS, P. História social da criança e da família. Rio de Janeiro. 2ª ed. Zahar Editores.1981.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa/Portugal: Edições 70, 2004.

BELFORT, P. B.; BARROS, S. M. M. de; GOUVEIA, M. L.A.; SANTOS, M. F. S. Representações sociais de família no contexto do acolhimento institucional. Revista Psicologia: Teoria e Prática. São Paulo, v. 17, nº 3, p. 42-51, set/dez., 2015.

BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: UNESCO, 1994. Disponível em: Acessado em: 10 abr. 2019.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB - Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria da Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil. v.1-3. Brasília, DF: MEC/SEF/Coedi, 1998.

BAUER, M. W. GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático, Tradução de Pedrinho Guarechi, Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes. 2017.

BORIS, G. D. J. B. Versões de sentido: um instrumento fenomenológico-existencial para a supervisão de psicoterapeutas iniciantes. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 165-180, 2008.

BRÊTAS, J. R. da; OHARA, C.V. S. ; JARDIM, D.P.; JUNIOR, W. A; OLIVEIRA, J. R. de. Aspectos da sexualidade na adolescência, Ciência e Saúde Coletiva, São Paulo, v. 16, n. 7, p. 3221- 3228, jul. 2011.

CARLET, F.; MILESI, Rosita. Refugiados e políticas públicas. In: RODRIGUES, V. (Org.). Direitos humanos e refugiados. Vila Velha/Espírito Santo: Nuares – Centro Universitário Vila Velha; ACNUR; IMDH, 2006. p. 134.

DAYRELL, J. A escola como espaço sociocultural. In: DAYRELL, J. (Org.). Múltiplos olhares sobre educação e cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1996.

DUARTE, R. Entrevistas em pesquisas qualitativas. Educar UFPR. Curitiba. 2004.

ESTEVAM,S.J; IGNATTI, C.; MORAES, P.R.de; SOUZA, J.C.de. A importância da construção do projeto político pedagógico na formação do professor. Educação em Foco, set. 2013. Disponível em: . Acesso em: 17 ago. 2019.

FERNANDES, G.; MARTINS, J. A. Influência da assiduidade no processo de ensino- aprendizagem no ensino Politécnico. Situação e estratégias no Instituto Politécnico da Guarda IPG-Portugal. Congresos CLABES. Revistas.UTP, Chile, 2015. Disponível em: Acesso em: 10 jul. 2019.

FERNANDES, J. R. O. Ensino de história e diversidade cultural: desafios e possibilidades. Cadernos Cedes, Campinas, v. 25, n. 67, p. 378-388, set./dez. 2005.

FONSECA, J.J.S. da. Metodologia da pesquisa cientifica. Ceará: UECE, 2002

FORNEIRO, L. I. A Organização dos Espaços na Educação Infantil. In: ZABALZA, M. A. Qualidade em educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 1998.

GATTI, B. A. Formação de professores: condições e problemas atuais. Revista Internacional de Formação de Professores (RIPF), Itapetinga, v. 1, n.2, p. 161-171, 2016. Disponível em: Acesso em: 14 jul. 2019.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.

GOELLNER, S. V. A educação dos corpos, dos gêneros e das sexualidades e o reconhecimento da diversidade. Cadernos de Formação RBCE, v. 1, n. 2, p. 71-83, mar., 2010.

JODELET, D. La representación social: Fenómenos, concepto y teoría. In: MOSCOVICI, S. Psicologia Social. Barcelona: Paídos, 1985, p. 469-494.

LAKATOS. E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, 2010.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação. Uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

LOURO, G. L. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. Tradução dos artigos: Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

LOURO, G. L. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-Posições, Campinas,

v. 19, n. 2, p. 17-23, ago., 2008.

MELLO, P. C. Estrangeiros buscando refugio no Brasil mais que dobram em um ano. Folha de São Paulo. São Paulo, 19 jun. 2018. Disponível em:

PALMA, Y. A.; STREY, M. N. A relação família e escola: a diversidade familiar compondo o contexto escolar. Revista de Psicologia. Chile, v. 24, n. 1, p. 1-17, out., 2015. Disponível em:

. Acesso em: 17 ago. 2019.

SANTOS, A. R. dos. Metodologia científica: a construção do conhecimento. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

SILVA, A. B. B. Bullying Mentes Perigosas nas escolas: como identificar e combater a violência o preconceito na escola. São Paulo: Principium, 2015.

SILVA, T. Ta. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

SCHMIDT, S. P. Gênero e história no romance português: novos sujeitos na cena contemporânea. Porto Alegre: Edipucrs, 2000.

SCOTT, J. W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre, v. 20, nº 2, jul./dez. 1995.

SPINK, M. J.; MEDRADO, B. Produção de sentido no cotidiano: Uma abordagem teórico-metodológica para análise das práticas discursivas. In: M. J. Spink (Org.) Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: Aproximações teóricas e metodológicas São Paulo: Cortez. 2013, p. 41-61.

TRIVIÑOS. A. N.S. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: A pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VINHA, T. P. O educador e a moralidade infantil numa perspectiva construtivista. São Paulo: Cogeime, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Josiane Peres Gonçalves, Marta Claudiane Ferreira

 

 

 Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

ISSN: 2448-0916.

______________________________________________


 

/ DRJI Indexed Journal